Saiba como escolher o ar-condicionado certo para a sua casa

Foto: André Bastian/ Divulgação
Foto: André Bastian/ Divulgação

Com o verão quase batendo à porta, começa a corrida para encontrar um meio de fugir do calor. Um dos principais heróis no combate às altas temperaturas tem ganhado cada vez mais espaço nos lares: o ar-condicionado. Mas escolher o aparelho ideal para os ambientes não é tão fácil – e sem o equipamento perfeito, o funcionamento pode deixar a desejar.

Para que ele cumpra seu papel com maestria, é necessário ter atenção no momento da compra, durante a instalação e também na manutenção. O primeiro passo é analisar o ambiente em casa para saber qual a potência necessária, os famosos BTUs.

– Assim, não há perigo de ser enganado e comprar um aparelho que congela o espaço, ou que não é suficiente para vencer o calor – explica a arquiteta Andréia Tissot Valmórbida, que ensina um cálculo para descobrir a potência (veja no quadro abaixo).

Foto: Andréia Valmórbida/ Divulgação

O ideal é tentar disfarçar o ar-condicionado. Como costuma ser claro, quanto mais neutro o revestimento, mais chances de camuflar. Na adesivagem abaixo, o olhar percorre a estampa monocromática e, assim, tira o foco do equipamento. Foto: Andréia Valmórbida/ Divulgação

No mercado, há diferentes tipos de equipamentos, como o split, o de janela (ou parede), o portátil e o central (de dutos). Em residências, o comum é optar pelo split por ser discreto e funcional, ressalta Andréia:

– É o custo-benefício. Geralmente, ele fica mais alto que o de janela e o portátil e, por isso, funciona melhor. O central costuma ser usado para espaços mais amplos, como escritórios.

Cuidados ao instalar e manter o aparelho

Depois da escolha, é hora de instalar. Se a casa tem espera para o ar, provavelmente não será necessário quebrar paredes, e o próprio técnico já faz o procedimento. Mas, caso não tenha sido previsto na construção, um segundo profissional geralmente precisa ser contratado para passar os dutos por dentro da parede – o melhor é sempre o aparelho no alto, para otimizar a circulação de ar.

Um ponto importante é que a máquina externa fique em um local acessível para a manutenção, próximo às janelas ou às sacadas. Mas o cuidado não acaba por aí. Com o passar do tempo, é preciso ficar atento à manutenção.

– É uma forma de garantir a qualidade do ar. Todas as orientações costumam estar no manual – afirma Guilherme Soares, diretor da Whirlpool, grupo da Brastemp, Consul e KitchenAid.

Foto: Andréia Valmórbida/ Divulgação

Foto: Andréia Valmórbida/ Divulgação

Duas vezes por ano, deve-se levantar a frente do split de dentro de casa e retirar o filtro. Com um pano úmido e sabão neutro, limpe deixe a estrutura secar. Depois, recoloque. A parte externa deve ter manutenção de profissionais especializados pelo menos uma vez por ano.

A dica é: calcule
Quantos BTUs são necessários?
Multiplique o tamanho do espaço em metros quadrados por 600 BTUs. Se a incidência de sol for muito intensa, o ideal é investir em um aparelho mais potente do que o resultado do cálculo. Exemplos:

9 metros quadrados
pelo menos 5.400 BTUs

15 metros quadrados
pelo menos 9.000 BTUs

25 metros quadrados
pelo menos 15.000 BTUs

IMG_3906

Bellacatarina promove Happy Hour para convidados do Casa & Cia Encontros e Espaços

Foto: Dani Sandrini/ Divulgação

As luminárias de cerâmica de Val Grzywacz são peças únicas de estilo vintage