Abreu Jr: arquiteto alemão vence o Prêmio Pritzker 2015

untitled

Arquiteto alemão Frei Otto é o vencedor do Prêmio Pritzker 2015

O arquiteto alemão Frei Otto, foi condecorado como vencedor do Prêmio Pritzker de 2015. Otto faleceu na segunda-feira, dia 9 de março, aos 89 anos de idade. Com a morte de Otto, a Fundação Hyatt, que patrocina o prêmio, antecipou o anúncio, que só seria feito no dia 23. Otto era um arquiteto, visionário, utópico, ecologista, pioneiro no uso de materiais leves, protetor dos recursos naturais. Em contraste com a arquitetura pesada, feita em colunas, pedra e alvenaria dos nacional-socialistas da Alemanha, em meio dos quais ele cresceu, o trabalho de Otto era leve, aberto à natureza e à luz natural, democrático, de baixo custo, com eficiência energética e às vezes projetado para ser temporário”.

“Muito atuantes”

Estela Cislaghi, Claudia Couto, Tais Marchetti, Cristiana Bez Delpizzo, Robson Nascimento, Juliana Pippi, Rosane Girardi, Alcides Theiss, Helena Vieira e Marina Rizzatti foram os profissionais que representaram os seus escritórios de arquitetura e decoração na homenagem que a Regional Grande Florianópolis do Núcleo Catarinense de Decoração fez para os destaques de atuação no mercado do segundo semestre de 2014. Alguns escritórios foram também presenteados com espaços na quinta edição da Revista NCD.

untitled2

Florianópolis é como mulher bonita: Não tem idade. Sem essa de 300 anos

Como toda mulher que se preze, Florípedes não quer admitir a sua real idade-salvo algumas exceções. Imaginem que ela não quer falar que está prestes a fazer 300 primaveras…E chamou seus historiadores, para, com ela, desmentirem o que andam fofocando. Eles, cavalheiros que são, dizem nada a saber de seu “nascimento”. Enquanto isso, procurando justificar o que diz e aproveitando a onda reparadora que invade a cidade, Florípedes chamou João Francisco do Valle Pereira, o Pitanguy ilhéu e encomendou mil plásticas, esticadas de rugas, ficando na melhor, pra mais não sei quantos séculos de muito sol, badalação, de vida jovem e muita “looouuuca”. “300 aninhos nunca, nunquinha. Ainda ontem fui debutante…” disse a cidade indignadíssima. JSC 20 de dezembro de 1972- Por Beto Stodieck do livro É TUDO MENTIRA de Bea Porto e Fernanda Lago.

Parabéns Florianópolis 289 anos


Em comemoração ao aniversários da cidade, a coluna lembra e indica a obra de Franklin Cascaes, através do livro “O Fantástico na Ilha de Santa Catarina”. Clássico do folclore ilhéu e açoriano, o livro foi editado pela Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (Edufsc). O museólogo Gelci José Coelho, o Peninha, que trabalhou com Cascaes colaborou para reunir as histórias de bruxas, boitatás, lobisomens e outras criaturas folclóricas que serviam como explicação para fatos que fugiam ao entendimento do povo simples ilhéu e açoriano, como fenômenos da natureza e anomalias hereditárias. Escritas entre 1946 e 1975, elas mostram a preocupação de Cascaes em preservar a memória e cultura de sua gente. Nascido em São José, na Grande Florianópolis, em 16 de outubro de 1908, Franklin Joaquim Cascaes foi desenhista, escultor, artesão, escritor, folclorista e professor da antiga Escola de Aprendizes Artífices.

Boas Novas

jader

O design catarinense está em ótima fase! Jader Almeida lançou suas criações para a Sollos que são apresentadas na mostra “Boas Novas 2015”, em São Paulo que segue aberta até 29 de março. O destaque desta coleção vai para a linha CLAD em madeira maciça com peças (cadeiras e poltronas) trabalhadas no limite da resistência.
Este ano a exposição é também aberta ao público geral, sob agendamento. Para os seguidores do bom design, em abril, a coleção vai para Milão participar da mostra paralela no distrito de Brera.

 

doce no pote (1)

Faça você mesmo: doce no pote de Páscoa

Fotos: Marcelo Donadussi/ Divulgação

Antes e depois: confira a transformação de uma cozinha